Principal‎ > ‎

História

No inicio do ano de 2008 a unidade da Petrobras de São Mateus do Sul recebeu em seu setor de inspeção de equipamentos dois novatos (ou neofitos como chamados carinhosamente pelo gerente da época). Esses novatos, que haviam chegado as vésperas de uma gigantesca parada de manutenção foi concedido o privilégio de cuidarem sozinhos da inspeção de cerca de todos os vasos da unidade (excluindo os permutadores e torres) além de alguns equipamentos adicionais.

Por causa do aparente tamanho da empreitada os dois novatos (ou neofitos se preferir) reclamaram incessantemente que eles eram muito inexperientes para tanto, e que eram como um carro 1000 (o mais popular na época era o uno Mille), iriam devagar mas chegariam lá. Esses dois indivíduos, eram o Tiago Campello e o Jonas Oliveira.

Pouco tempo depois, já em 2009, os outros três engenheiros do setor, percebendo sua crescente obesidade, já podendo ser considerada mórbida em algumas escalas, resolveram pedalar. Nessa época o Leonardo (com sua fiel Specialized, que era a bike mais chique do pedaço!) o Paulo (com sua grande mais ainda não gigantesca GTK 22), o Denizaldo (com sua mística Trek de cromoloy) e após algumas semanas o Tiago (com sua GTS com conduítes furtacor!) começaram a realizar pedais heroicos na trilha conhecida como "Maria Isabel". Essa "trilha" é um percurso fantástico com cerca de 10km totalmente planos de chão bem batido, mas como já dito, existia a questão da obesidade, que fazia com que os heróis chegassem acabados, comessem um super X-Bacon na beira do rio Iguaçu e solicitassem resgate as esposas. Nessa época, quase ninguém tinha um capacete, exceto o Tiago que usava um de criança laranja.

Quando o Jonas adquiriu sua Giant XTC carbon, ele sem dúvida tinha a bicicleta mais show de todas. Acredito que apenas o Denizaldo tenha trocado de bike até esse momento por uma full suspension da Astro, mas pode ter sido depois (no máximo o Paulo e o Tiago tinham comprado catracas MegaRange e pedivelas alivio/acera). Para comemorar, ele foi convidado a fazer a chamada volta da Cabeça de Cavalo (chamada pelo Denizaldo como "a volta dos que não foram"). Claro que foi uma pegadinha, todo mundo razoavelmente treinado e o Jonas totalmente cru, levaram ao ultimo massacre do Jonas na equipe Mille, que ainda não tinha esse nome. Dizem que o Jonas ajoelhou na beira do Iguaçu ao lado do Pery, balançou a mão para o alto e disse "Malditos, eu nunca vou lhes perdoar" e saiu treinando como um maníaco.

O Mestre Kaizer já fazia uns pedais com o pessoal e explicava que quando já se estava acostumado subida, plano e descida é tudo igual. Foi nessa época que surgiu o "Perdidos".

No inicio de 2010, por pressão do Jonas parte do grupo resolveu ir a uma prova em Iratí. O Mestre (Marcelino Kaiser) nos orientou e nos acompanhou no evento. O dia estava quente como o inferno mas a prova foi estupidamente divertida, só para ter uma ideia dos fatos que me lembro:
  • Antes da largada as outras equipes apontavam para nós e diziam "olha o Kaiser", "ele voltou", "trouxe um pessoal de São Mateus, eles devem ser elite!";
  • O Paulo tomou duas garrafas d'água e dois gatorade e arregou nos primeiros 14km, cortando caminho e inteirando no máximo 25km totais. O mais legal foi o pessoal na trilha perto da chegada comemorando achando que ele era o primeiro lugar;
  • O Denizaldo tomou um capote ao lado da ambulância de resgate e saiu mancando. O cara da ambulância perguntou se ele precisava de ajuda e ele: "Não precisa, eu sou manco mesmo". Ele tinha levado um capote de parapente em 2009 e tem sequelas no pé até hoje;
  • O Tiago ignorou um aviso de perigo em uma descida e perdeu uma garrafinha de água (acho que o Denizaldo caiu nesse lugar). Por sinal é marca registrada do Tiago perder garrafinha;
  • O Mestre foi o primeiro do grupo a chegar de verdade e exagerou por causa do coração. Infelizmente ele não foi mais em provas pois não conseguiria se segurar e exagerava no esforço, mesmo assim acho que ele se divertiu, o ciclismo está no sangue;
  • O Jonas se saiu bem no grupo chegando em segundo mas foi mal na prova, então ele voltou para casa e treinou mais ainda.

Vieram então as speeds. Acho que a primeira foi a Caloi 10 do Tiago e a segunda a Alfameq preta do Paulo (que o Walmart insistia que era branca). O Jonas comprou a vovozinha na internet (uma Canonndale da década de 90 muito legal) e por fim o Tiago comprou a polaquinha (que foi vendida para o Brito) e passou a colecionar Cannondales.
O Denizaldo se recusava a admitir que as speeds eram negócio e insistia que uma mtb com pneus finos era a mesma coisa. Conta a lenda que ele foi pedalar com o Paulo na estrada de Três Barras e o dialogo foi mais ou menos assim:

Paulo (na Alfameq) - Denizaldo, quer ir na frente ou eu vou?
Denizaldo (na Astro pneu fino) - Pode ir que eu acompanho.

Depois de 4km o Paulo percebeu que o Denizaldo tinha sumido e voltou para procura-lo. Ele aparentemente tinha tomado um couro muito grande e voltou puto da vida. Depois disso ele comprou uma Caloi Race híbrida de alumínio e carbono e começou a treinar o Audax pedalando de São Mateus do Sul até Mafra. Dizem que nesse período ele foi o cara com mais endurance da equipe e tirava sarro do Jonas, embora ache que eles nunca se enfrentaram. Dizem também que ele percebeu que algo estava muito errado com esse nível de treino quando começou a urinar vermelho e ficou em dúvida se era o aminoácido ou sangue.

Quando o Tiago e o Jonas iniciaram o treino de speed a coisa ficou mesmo competitiva, havia o quadro com os treinos, metas e carinhas felizes ou tristes (quando o Paulo ia junto) e haviam pegas incríveis na subida da escolinha! Por incrível que pareça o Leonardo não tinha tirado o escorpião do bolso e continuava com a Specialized (agora toda com grupos e acessórios de "alto valor agregado") andando na roda das speed! Isso perdurou por muito tempo até que ele comprou a vovozinha do Jonas e pegou gosto. Se não estou enganado, o Leonardo andou pela primeira vez de speed na estrada de Três Barras com a Alfameq do Paulo quando ele comprou a Leader. Pegaram uma chuva forte e encontraram o Tiago voltando de carro do Rio Grande do Sul. Só não rolou carona pois o cachorro dele estava no porta malas.

Nessa época das speeds o Jonas e o Tiago lembraram de seus tempos de parada e das derrotas humilhantes nas corridas e batizaram a equipe de Mille (vai devagar mas chega lá). E foram feitas as primeiras camisetas, porcamente desenhadas pelo Paulo com concordância de todos e adquiridas quase que pessoalmente pelo Tiago. A regra da equipe que para ser membro tinha que ter a camiseta foi criada segundo a lenda por causa de uma discussão por telefone onde a camiseta foi oferecida a uma pessoa que fez pouco caso dela. Nessa mesma ocasião surgiu a primeira versão do site, ainda sem domínio. No fim das contas, todos os itens estatuto da equipe foi criado para sacanear alguém específico.